sábado, 13 de maio de 2017

Águas mansas das levadas                                  Levadas da minha aldeia                       
tal como as ribeiras,                                            galgando de monte em monte                      
que em vindo o Inverno,                                     enchei de seiva esses vales,
inundam casas vinhedos e leiras.                       cantei nas pedras da fonte,  
(...)
Essa voz suave encerra,                                       As aves já aprenderam,
enigma doce e profundo.                                     o vosso lindo cantar,
cantais promessas dos céus                                  cantam ensinando às flores, 
ou chorais males do mundo?                              como se deve falar.

À vossa beira se espelham                                 A serra já não se lembra,
hortênsias, musgos e flores,                              das gerações que passaram,
velhos loureiros murmuram                             e a vida vai e renova-se,
loucas histórias de amores.                               e as águas nunca pararam.
(...)
Tudo seria mais triste,                                        
na quietude da serra,          
se a vossa voz não ouvisse                                 
como a própria voz da terra.                              
(...)

A. F. Gomes. Baladas das Levadas (1998)

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017


Talvez fosse por Deus, o autor da Natureza,
esta ilha da Madeira, ser da nação portuguesa.
(...)
Tremendo os descobridores pela massa florestal,
não houvesse animais bravos, 
que pudessem causar mal, 
largaram fogo na ilha por sete anos agitados,
mas vestígios de tais feras, 
não consta ser encontrado.
Mais tarde arrependeram-se, depois da terra  abrazada,                                    
pois a madeira mais fina, até então encontrada,
estava toda em carvão, uma imensa derrocada.
Ficou-lhe o nome Madeira, do seu tempo florestal,
e também flor do oceano, a jóia de Portugal.

Manuel Gonçalves (séc. XX)
Fonte: Vieira, A. 1998. Do Éden à Arca de Noé. Secretaria Regional do Turismo e Cultura, CEHA.

terça-feira, 3 de janeiro de 2017


Minha Terra,
não te canto pelas tuas belezas, nem pelas tuas flores,
nem por esse verde impossível dos teus montes,
nem pelo canto cristalino das tuas fontes,
nem pelo azul puríssimo do céu e do mar
eu te respeito só.
Venero sim, os meus antepassados
que num sonho de há quinhentos anos,
lograram-se ao criar-te num esforço sobrehumano
e desbravar o mato, quebrar a pedra,
domar o mar, os ventos e a adversidade.
Gastar o sangue, os anos e vontade,
a construir poios, a aproveitar a terra,
até onde os pisos altaneiros, as nuvens apunhalam
e a desafiar as bocarras ciolópicas e as gargantas da montanha
dominar a torrente de frágua em frágua,
para as suas lágrimas, o seu suor e sua água,
pudesse hoje existir, (...) Madeira.
                                                                                                                 Bom Ano!
Secundino Teixeira (séc. XX) 
Fonte: Vieira, A. 1998. Do Éden à Arca de NóeSecretaria Regional do Turismo e Cultura - CEHA